Mudando a rotina de trabalho

Cissa Bernardes

Mudando a rotina de trabalho

Mudando a rotina de trabalho



Como profissionais da engenharia, arquitetura e decoração estão seguindo seus projetos e obras mesmo em período de isolamento



A pandemia do Covid-19 (Coronavírus) nos trouxe uma nova maneira de trabalho – à distância. A maioria dos profissionais tiveram que se adaptar ao home-office para dar continuação aos seus projetos. Porém, e as obras? Como dar seguimento, uma vez que os encontros sociais devem ser os mínimos possíveis?



As designers de interiores Cris Araújo e Linda Martins, da Maraú Design Studio, tiveram que cancelar todas as suas obras. Há duas semanas trabalhando, exclusivamente, em home office, elas relatam que, para projetar e solicitar orçamentos está dando certo, porém, a parte presencial ficou estagnada.



“Acredito que se os profissionais conseguirem trabalhar, mesmo com a proibição, o certo seria manter o mínimo de pessoas envolvidas, respeitando as regras de distância entre elas e higiene! As visitas aos fornecedores, clientes e obras, tivemos que parar no momento e sem previsão de voltar”, explica Cris Araújo.



Já a Construtora Santa Rosa está com parte da equipe em home-office e segue, ainda, com algumas obras em andamento. Segundo o diretor geral, Luiz Fernando Silva Borges, por se tratar de uma equipe multidisciplinar, o maior desafio foi e está sendo definir os colaboradores que paralisaram as atividades em tempo integral ou meio período.



“A equipe da Santa Rosa, basicamente, funciona da seguinte forma: Equipe de Gerenciamento de Projeto (escritório central e obra), Líderes de obra (engenheiros ou técnicos civis), mão de obra direta (oficiais e ajudantes) e empresas terceirizadas. No dia 16 de março, foi definido que a equipe de Gerenciamento de Projeto trabalharia em home office. Já no dia 23, definimos que a equipe de mão de obra direta teria férias coletivas, em princípio, de 15 dias. Logo depois, resolvemos que as empresas terceiras (empreiteiros) teriam liberdade para optar entre continuar ou paralisar as atividades. Sendo assim, de todos os contratos da empresa, apenas dois não foram paralisados, porém, estão com o efetivo reduzido. Somente as empresas terceirizadas e os líderes de obra dos respectivos contratos não paralisaram”, relata.



De acordo com Luiz Fernando, este é um momento muito delicado e a empresa possui um diálogo diário com as terceirizadas sobre a pandemia, pois, por mais que todos tomem os devidos cuidados, eles estão expostos.



“Paralelo a isso, economicamente falando, sabemos da necessidade que essas empresas e pessoas têm em produzir, afinal, a retirada de valores está diretamente relacionada à produção. Justamente por isso as empresas terceirizadas puderam optar entre paralisar e dar sequência nas atividades. Vale ressaltar que temos materiais em estoque, mas parte dos fornecedores também paralisaram as atividades. Existe uma grande possibilidade de sermos ‘forçados’ a paralisar também as empresas terceirizadas devido à falta de materiais”, completa.



No caso do escritório Dávila Arquitetura, trabalhar à distância é algo rotineiro nos trinta anos da empresa. Com escritórios em Belo Horizonte e Brasília (já possuiu, também, em Rio de Janeiro e São Paulo) e uma equipe de mais de sessenta pessoas, a internet sempre esteve presente no dia a dia da empresa. Neste período de quarentena, eles uniram a plataforma online junto à intranet e estão gerenciando todos os passos da empresa por ali, como explica o arquiteto Cadu Rocha.



“Visando o bem-estar de nossos colaboradores, clientes e parceiros, a Dávila vem se preparando há muitos dias. A principal medida que tomamos foi migrar todo nosso funcionamento para home office o que envolveu o remanejamento de várias dezenas de profissionais. Embora sujeitos a algumas dificuldades nesta grande transformação em um período tão curto, somos um dos escritórios líderes em tecnologia no país. A importante estrutura de servidores e comunicação da Dávila nos permite continuar atendendo nossos clientes e parceiros com a tradicional qualidade e, em alguns aspectos, com ainda mais qualidade do que antes”, ressalta.



A Dávila segue funcionando a pleno vapor, dando prosseguimento a todos os contratos. Todos os canais de atendimento continuam funcionando, nas duas capitais, como telefones, e-mails e demais plataformas.



“Nossas atendentes estão seguras em suas residências e prontas para auxiliar nos contatos com toda a equipe Dávila. Toda nossa equipe está motivada e envolvida com contatos diretos facilitadores, caso seja da preferência do cliente. Estamos certos de que unidos venceremos este período crítico, do qual sairemos ainda mais fortes e preparados”, encerra Cadu Rocha.